O que Varejistas que faturam acima de U$100 milhões/ano podem nos ensinar sobre crescimento.

Tempo de leitura: 2 minutos

Altos executivos do varejo norte-americano acreditam que a retenção de clientes será o motor principal para o crescimento do varejo nos próximos três anos.

Essa é a conclusão perante um estudo realizado com 100 altos executivos do varejo nos Estados Unidos, ocupantes de cargos que vão desde a diretoria até a Presidência, sendo que 40% desses participantes faturam acima de U$ 1 bilhão por ano com suas empresas. As demais informações sobre os executivos participantes seguem abaixo no infográfico[1].

 

infografico publico pesquisa

 

A pesquisa [página de download] foi realizada em meados de 2014 pela KPMG, empresa líder provedora de serviço para o varejo presente em 155 países, com objetivo de refletir os pontos de vista de 100 altos executivos de varejo dos Estados Unidos, sobre as principais questões e tendências no setor do varejo.

Através dos dados extraídos da pesquisa, o que mais nos chamou atenção é o fato de que 41% dos executivos entrevistados pretendem investir mais em tecnologias que aumentem diretamente o poder de engajar e se comunicar com seus clientes. Deste total, ¼ dos empresários pretendem, ainda, destinar recursos superiores a 10% do faturamento em tal estratégia.

Outro dado interessante refere-se às respostas dadas pelos entrevistados, quando perguntados sobre em quais áreas priorizam os investimentos em análises de dados, com o intuito de tomar decisões estratégicas. O gráfico abaixo apresenta o percentual de empresários e as respectivas áreas de investimento.

 

grafico prioridade investimentos

 

A fim de tomar melhores decisões, os varejistas estão usando dados e análises para apoiar suas estratégias em diversas áreas da empresa. De forma não surpreendente, o resultado da pesquisa mostrou que 63% dos executivos varejistas priorizam a área de “inteligência de clientes” a fim de tomar melhores decisões.

Além da “inteligência de cliente”, 53% os varejistas também estão usando análises para reforçar a marca e gerenciamento de produtos, 50% decisões a respeito de preços, e 49% expansão de mercado.

Com relação ao departamento de marketing, quase 60% das empresas entrevistadas responderam que possuem acesso às análises de dados e utilizam-nas para embasar decisões operacionais estratégicas.

 

Conclusão da Mercafácil sobre a pesquisa da KPMG:

A KPMG acredita que o sucesso do varejista está diretamente ligado à habilidade que ele possui em entender e continuamente melhorar a experiência do consumidor com a loja.

O varejista que não aderir a soluções tecnológicas para entender o que acontece em sua loja, terá um obstáculo significativo para superar, pois continuará tomando as mesmas decisões esperando resultados diferentes.

 

[1] 2014 Retaisl Industry Outlook Survey: Omnichannel retailing: from expectation to execution. Disponível em: http://www.kpmginfo.com/industryoutlooksurveys/2014/pdfs/289583_Retail_Industry_Reportv11WEB.pdf. Acesso em: 17 jun. 2015. Original em inglês. Tradução: Mercafácil.

.